Nova formação e inserção no mercado de mecânica de bikes: como a bicicleta é um meio de inclusão social

A bicicleta tem um poder enorme de inclusão social. Por meio dela é possível transformar a vida, tanto pessoal quanto profissional. Estes, inclusive, são alguns dos objetivos da parceria entre Escola Park Tool e Instituto Aromeiazero no projeto Viver de Bike, que coloca jovens no mercado de trabalho e possibilita uma formação em mecânica de bicicletas.

“Este programa de estágio e a parceria com o Instituto Aromeiazero nasceram porque vem aumentando muito a demanda de lojas e oficinas por bons profissionais em mecânica. Muitas delas entravam em contato conosco e falavam desta necessidade. A ideia da Escola é, portanto, colaborar com a transformação de vida das pessoas e ajudá-las a ter um trabalho e uma formação, abrindo as portas do mercado”, comenta Henrique Zompero, fundador e diretor de ensino da Escola Park Tool.

A dinâmica funciona da seguinte forma: os alunos se inscrevem no curso Viver de Bike, do Aromeiazero e, ao se formarem, passam por uma seleção antes de continuarem a formação na Escola Park Tool.

A seleção dos participantes é realizada a partir da análise econômica e social. Jovens de baixa renda, pessoas desempregadas e mulheres com afinidade ao mundo das bicicletas e vontade de empreender têm prioridade.

“Metade das nossas turmas é formada por mulheres, contrariando o senso comum de que esse tipo de atividade profissional é restrita ao universo masculino”, comenta Murilo Casagrande, diretor do Aromeiazero.

“Acredito muito nesta parceria pois ela impacta diretamente a vida de muitas pessoas. A bicicleta é capaz de melhorar a vida de uma pessoa de forma integral, e quem participa do projeto se beneficia de algo que vai além do conhecimento sobre mecânica de bicicleta: muda a visão de organização e alguns, inclusive, saem decididos a montar o próprio negócio”, completou Murilo.

Clique aqui e conheça um pouco mais do trabalho da Escola Park Tool

A transformação nas palavras de quem foi beneficiada

Mariana Gomes trabalhava em uma bicicletaria em 2017, onde fazia locação das bicicletas do Aromeiazero. Por querer evoluir no ramo de bikes e aumentar seu conhecimento técnico, ela se inscreveu no curso Viver de Bike e, posteriormente, foi selecionada para continuar a formação e estagiar na Escola Park Tool.

“Foi uma experiência incrível, surpreendente ver como a bicicleta evoluiu, suas técnicas e tecnologias são fascinantes. O aprendizado da Escola enfatizou a importância de atualização e inovação constante, com o mercado em alta e as oportunidades também, é bem abrangente e exigente nos requisitos”, explicou a mecânica profissional e, hoje, coordenadora de projetos do Aromeiazero.

Hoje ela compartilha com outras pessoas do Viver de Bike a experiência que teve na Escola Park Tool: “como monitora tenho outra visão sobre o projeto, inovando a cada turma, expandindo e difundindo o conhecimento da bicicleta em diversos cenários de projetos que participo. Na bicicletaria já tenho mais atividades práticas de manutenção de bicicletas e vendas”.

Já Viola Sellerino conheceu o curso Viver de Bike através de amigo mecânico. Ela já se interessava de mecânica, há anos frequentava uma oficina comunitária, e dava oficina de mecânica básica.

“Tive uma experiência muito positiva na Escola. Me trouxe muito mais confiança. Além de confirmar muito do conhecimento que tinha, também aprendi muitas coisas que estava precisando para trabalhar”, comentou.

Ela destaca o poder do projeto, de aproximar as pessoas do mundo da mecânica e, mais importante, ao mundo do empreendedorismo social. Entender a bicicleta como meio para poder empreender, para começar projetos que criem mudanças.

“É importante para o futuro de cada aluno que busca uma formação, mas também para formar olhares diferentes sobre a economia e a cidade. A bicicleta se revela um meio de transformação social porque ela muda a cidade, na sua estrutura física, cria uma economia de fácil gestão, gera renda e protagoniza o indivíduo”, explicou Viola.

“Hoje trabalho com o Aromeiazero, ajudando a montar oficinas comunitárias e cursos de mecânica básica. Trabalho também como mecânica autônoma, mas o meu interesse principal é dar oficina e criar ações que aproximem sempre mais pessoas à bicicleta”, finalizou.

Com a missão de promover a inclusão social por meio de uma visão integral da bicicleta, também como ferramenta de mudança no modo de vida, o projeto apresenta números que comprovam seu impacto social:

– em 2018, o Viver de Bike formou 57 pessoas, dessas 31 são mulheres;

– 2150 pessoas pedalaram com o Aromeiazero (dessas, 2050 eram crianças e 240 aprenderam a pedalar sem apoio, no Rodinha Zero);

– 135 jovens e adultos aprenderam mais sobre mecânica de bicicleta nas oficinas (incluindo o Viver de Bike com 57 pessoas);

– 264 bicicletas foram consertadas (nas mecânicas comunitárias e cursos oferecidos) e voltaram para as ruas.

Para entender mais o projeto e saber como se inscrever e participar do projeto Viver de Bike, acesse o site do Instituto Aromeiazero.

Selo de qualidade: melhores mecânicos do Brasil em 2018 falam da importância da iniciativa para o mercado

Em janeiro de 2018 a Escola Park Tool criou uma iniciativa que visa valorizar os mecânicos de bicicleta do Brasil, gerando reconhecimento do mercado e elevando o nível do trabalho prestado aos clientes apaixonados por bikes. Um ano depois, o ranking Selo de Qualidade comprova sua eficácia, levando qualidade e um bom serviço aos ciclistas. Ao mesmo tempo que valoriza o trabalho dos mecânicos de bicicleta profissionais, transformando suas vidas e carreiras.

Mês a mês, o ranking do Selo de Qualidade é atualizado, estabelecendo assim o melhor mecânico de bicicletas do Brasil a cada mês. E é partir de avaliações dos próprios clientes que o resultado é obtido. O mecânico que acumula mais pontos pela qualidade de serviço e atendimento oferecidos vence e tem benefícios, tangíveis e intangíveis.

Tangíveis pois tem a oportunidade de participar de eventos e competições de ciclismo, conquistando ainda prêmios pelo conhecimento e trabalho, e lucrando ainda mais com seu negócio. Intangíveis porque estar no topo ou perto dele, aplicando da melhor forma o conteúdo que aprendeu, traz credibilidade e reconhecimento do mercado. Enquanto isso, eleva a qualidade do segmento e aumenta a confiança do ciclista e consumidor.

Veja, na visão dos vencedores do Selo de Qualidade de 2018, o que mudou para eles e por que essa iniciativa é e continuará sendo importante no ciclismo, seja na carreira do mecânico, na vida do ciclista e para a saúde do segmento.

Selo de Qualidade | Vinicius Oliveira

Selo de Qualidade | Vinicius Oliveira

Vinicius Oliveira, mecânico da Vini Bike, em Itapeva-SP, pentacampeão do ranking

“O desenvolvimento da profissão de mecânico está ligado diretamente à experiência que passamos todos os dias nas lojas e oficinas resolvendo problemas diversos. Foi com os cursos da Escola Park Tool que consegui melhorar a qualidade dos serviços que presto, ajudando muito no meu crescimento e também no aprendizado da carreira”.

Graças à minha formação de mecânico profissional na Escola Park Tool tenho recebido elogios de muitas pessoas e também convites para participar de eventos e provas de MTB. Inclusive, em maio fui convidado pela Shimano para participar do apoio neutro mecânico em uma ultramaratona, na Serra da Canastra, em Minas Gerais”.

Selo de Qualidade | Diego Hertel

Diego Hertel, mecânico da D’Bike, em São Bernardo-SP, quatro vezes campeão do ranking

“Essa iniciativa nos ajuda a avaliar e divulgar ainda mais os nossos serviços, servindo como motivação para continuar realizando um atendimento diferenciado e de qualidade e ser reconhecido e valorizado no mercado. O resultado foi consequência dos atendimentos e serviços diferenciados, e da divulgação que fiz para todos meus clientes sobre o ranking e a importância de fazer a avaliação no site da Escola”.

Ele também fala da experiência de ter feito parte da equipe de mecânicos do Big Biker, na etapa de Itanhandu-MG. Este foi um dos prêmios que ganhou ao ser campeão do ranking Selo de Qualidade.

“A experiência foi incrível! O trabalho de mecânico durante uma prova requer muito conhecimento de marcas e modelos de bikes, medidas, etc. Devemos estar sempre atentos a tudo isso, mas estava tranquilo pois os módulos da Escola Park Tool ajudaram muito nesse quesito. Se não tivesse feito este curso, jamais seria capaz de fazer o que fiz no Big Biker”.

 

Selo de Qualidade - Iedo de Carvalho

Selo de Qualidade – Iedo de Carvalho

Iedo de Carvalho, mecânico da YoBIke, em Curitiba-PR, campeão do ranking

“Acho que a iniciativa é de fundamental importância para divulgar o trabalho dos mecânicos e levar confiança aos ciclistas, aparecer junto aos clientes. Para mim foi muito bom e aumentou demais minha clientela e a minha credibilidade, até porque participei do Desafio Mecânico no Shimano Fest, dando mais visibilidade ainda. Um bom resultado no Selo de Qualidade demonstra e comprova que o investimento na capacitação vale a pena, é o reconhecimento”.

Ao enxergar alguns problemas no atendimento e prestação de serviços de mecânica, resolvi buscar conhecimento para tentar mudar essa realidade. Se não fosse a Escola, não teria a base de conhecimento para entrar no mercado”.

 Selo De Qualidade | Hebert M. Neto

Hebert Luis Moreira Neto, da Entre Trilhas, em Ouro Preto-MG, campeão do ranking

“Não só para o mecânico quanto para a loja ou oficina, o ranking ajuda muito! Você ganha credibilidade, passa confiança ao ciclista, que pode procurar dentro do site da Escola um mecânico próximo a ele e perfeitamente capacitado para cuidar da sua bicicleta. Para mim foi uma grande surpresa ter sido reconhecido e alcançar o topo com tão pouco tempo. Mas devo reconhecer que é fruto de um trabalho em equipe e fruto também da divulgação do nosso Selo após a conclusão de algum serviço ou reparo”.

 

Viu só como o Selo de Qualidade é importante? Com ele o mecânico tem um feedback contínuo do seu trabalho, o que irá estimular o profissional a sempre se atualizar no campo de mecânica e até de gestão de negócios. Para o ciclista, ter uma gama grande de mecânicos profissionais oferece segurança e confiança, além de um serviço bem prestado.

Por isso a importância do próprio profissional em divulgar o Selo e incentivar os clientes a fazerem a avaliação do trabalho mecânico. Assim, todo mundo ganha, aquecendo o mercado e elevando ainda mais a qualidade dos serviços de mecânica de bicicleta.

“Com os cursos que fiz, me senti confiante e preparado para fazer cicloturismo”, diz aluno da Escola Park Tool

Se você gosta de pedalar e de praticar cicloturismo, a preparação e o conhecimento são importantíssimos e essenciais para viajar tranquilo, sem grandes dores de cabeça. Foi exatamente isso o que o engenheiro químico Marcio Audi fez, que antes de rodar por 750km pelo Velho Mundo procurou se capacitar e entender mais sobre mecânica de bicicleta.

“Pretendia fazer cicloturismo sozinho e busquei na internet uma escola que oferecesse algum curso de mecânica de bicicletas. Encontrei a Escola Park Tool e fiquei muito empolgado, acabei concluindo os módulos básico, intermediário e avançado”, comentou o também cicloviajante Marcio.

Quem vai pedalar longas distâncias, como no caso do Marcio, tem que estar apto a fazer alguns ajustes na bicicleta, montá-la e desmontá-la quando preciso, além de possíveis trocas de pneus e corrente, por exemplo.

E essa aptidão vem somente de uma forma, com o conhecimento. Nos cursos da Escola Park Tool, além do conhecimento aprofundado, com boa didática e manuais de uso dos fabricantes, o aluno tem a oportunidade de colocar em prática o que absorveu em sala de aula, o que faz toda a diferença no processo de aprendizado. Até porque é possível tirar dúvidas com os professores, que dão todo suporte, antes, durante e após a formação.

Confiança e autonomia em 3 atos

“O curso básico me ofereceu grande quantidade de informações gerais, enfatizando planejamento geral, limpeza na execução das tarefas, lubrificação, atenção aos detalhes e especificação dos componentes da bicicleta (freios, câmbio, corrente). Aprendi a reparar pneu furado, que de início, foi o que me levou ao curso”, explicou Marcio.

Já no curso intermediário, ele pôde compreender mais sobre o funcionamento do câmbio, assim como ajustes dele e do freio, além da importância e manuseio do torquímetro para finalizar os ajustes. “Também aprendi a utilizar as especificações do fabricante, para a manutenção adequada dos componentes, bem como a reparar uma corrente danificada, limpar e lubrificar os cubos das rodas”, disse o aluno.

Quando Marcio chegou ao curso avançado, ele adquiriu ainda mais conhecimento, como por exemplo sobre montar e desmontar completamente a bicicleta, maior detalhamento da regulagem do câmbio e freios; remoção e recolocação dos pedais e pedivela; montagem e desmontagem do guidão e coluna de suspensão.

Depois disso, ele estava pronto para rodar a Europa em cima da sua bicicleta, pois já absorveu o conhecimento necessário sobre mecânica de bikes para aplicar na hora em que precisasse.

E você, está planejando praticar cicloturismo? Busque a capacitação, prepare-se na Escola Park Tool e boas pedaladas!

Escola Parl Tool lança curso de capacitação profissional em Bike Fit

Com o objetivo de ter profissionais ainda mais capacitados para oferecer um atendimento e serviços de qualidade aos ciclistas, a Escola Park Tool passará a oferecer um novo curso: capacitação em Bike Fit.

Em parceria com a Infinity Fit, o curso será divido em duas partes – uma teórica, online, e outra prática e presencial. O módulo é indicado para quem é mecânico de bicicletas, lojista, vendedor de loja ou mesmo quem pedala e se interessa em conhecer mais sobre o assunto. O novo curso de Bike Fit oferece muito mais embasamento técnico numa possível venda ou ajuste mecânico. Ao finalizar o curso, o profissional receberá um certificado internacional com a credibilidade da marca Escola Park Tool.

Com ele, o profissional terá a segurança necessária para indicar o tamanho de bicicleta ideal ao ciclista, fato que é muitíssimo importante, exatamente igual a escolher um sapato do tamanho certo. Afinal, a bike tem que prover conforto a quem pedala, e isso vem através do tamanho correto, de acordo com as medidas do corpo de cada pessoa.

Melhor experiência e nova possibilidade de lucro

Ao se formar no novo curso de Bike Fit, o profissional poderá melhorar, e muito, o seu relacionamento com o cliente, assim como a experiência de quem pedala e, inclusive o pós-venda. Desta forma, ele se coloca à frente da concorrência, pois pode oferecer um novo serviço dentro de sua loja ou oficina mecânica.

“Este novo curso vem para complementar ainda mais a capacitação de profissionais do segmento de bicicleta. Era o que faltava em nossa grade de cursos, para fechar um ciclo de atendimento e profissionalização, e deve gerar novas oportunidades, já que os novos profissionais estarão aptos a oferecer o novo serviço de Bike Fit”, explica o fundador da Escola Park Tool no Brasil e diretor de ensino Henrique Zompero.

Seja um vendedor, dono de loja ou mecânico, o aluno e futuro profissional de Bike Fit levará mais segurança ao seu cliente, já que ao descobrir o tamanho de bike ideal é possível evitar lesões, potencializar a performance e melhorar o conforto nas pedaladas. E também é esta a proposta do curso: conscientizar profissionais do segmento e consumidores do ciclismo sobre a importância e necessidade de realizar o Bike Fit antes de uma compra.

“O mecânico é o melhor amigo do ciclista e a pessoa que o ciclista mais confia, então também queremos levar a capacitação para esta pessoa, pois é primordial neste processo. Através de um sistema de simples compreensão, o mecânico, lojista e qualquer pessoa também terá essa conscientização e poderá oferecer o teste de Bike Fit”, explica César Rodrigues, diretor da Infinity Fit e educador físico.

Curso começa em janeiro de 2019, com dois módulos

A dinâmica do curso é simples, porém muito funcional. As turmas que se iniciam em janeiro serão formadas após concluir duas etapas, que juntas somam 8 horas ao todo, entre teoria e prática.

A primeira etapa é online, com um material de estudo fornecido pela Infinity Fit e Escola Park Tool, para o aluno estudar e absorver todo conteúdo teórico e videoaulas, se aprofundando sobre a ciência do Bike Fit.

A outra parte é presencial, em que o aluno irá colocar a mão na massa, testar o sistema, fazer as medidas corporais em seu parceiro de curso (as aulas práticas serão realizadas em duplas), e também poderá sanar dúvidas a respeito do material que teve acesso anteriormente.

“O conteúdo online, teórico, é extremamente importante. Mas é a dinâmica da parte presencial que trará uma formação diferenciada”, garante César, que também irá oferecer um suporte futuro em diferentes canais, tal qual a Escola Park Tool já faz, para quem necessitar de algum tipo de auxílio mesmo após a conclusão do curso.

Sobre o sistema Infinity Fit e a metodologia

Para o diretor da Infinity Fit, “o mercado de ciclismo tinha uma necessidade grande de melhorar as experiências dos ciclistas no momento da compra, adquirindo o tamanho ideal de bike, e principalmente, ajustar a bike para o perfil do ciclista”.

Por isso, depois de trabalhar com outras metodologias dentro do bike fit, Cesar criou uma plataforma amigável e autônoma, que pode ser utilizada por qualquer um, já que não necessita de grandes conhecimentos de anatomia, por exemplo. Com o tutorial que será disponível em videoaula e materiais de estudo, qualquer pessoa será capaz de avaliar o ciclista de forma eficiente.

“Quando idealizamos o sistema, pensamos naquele que vai usar e executar as tarefas. O investimento é baixo pelo que o sistema oferece. E, melhor: o retorno deste investimento é muito rápido. Damos as ferramentas, introduzimos os conceitos e a ciência do Bike Fit ao aluno, e oferecemos possiblidades de acesso aos mecanismos do sistema. Este aluno se forma, aprende o método e vai para o mercado aplicar e oferecer o serviço”, comenta César.

Através de uma lógica rápida, fácil e eficiente, basta fazer a tal avaliação antropométrica, em que são tiradas as medidas de 10 partes do corpo do ciclista e inserir as informações no sistema.

A partir desta medição ele gera 2 relatórios do fit:

– Bike Ideal: o sistema oferece informações seguras sobre o tamanho exato da bicicleta para aquele determinado cliente/ciclista, o que facilita e melhora a experiência dele antes e durante as pedaladas;

– Ajuste de bike: cria-se uma espécie de prontuário, com todas as medidas do ciclista, para o caso dele trocar de bicicleta, ou desmontar e montar novamente numa eventual manutenção ou ajuste em uma oficina.

A inscrição para os primeiros módulos está disponível no link https://goo.gl/t3TdLw.

 

 

“Transformei meu hobby em minha profissão”, diz o melhor mecânico de bicicleta do ranking Selo de Qualidade

 

O ranking que avalia o melhor mecânico de bicicleta do país tem um novo campeão do mês: em novembro ninguém fez um trabalho melhor do que Hebert Luis Moreira Neto. Mecânico da Entre Trilhas, em Minas Gerais, ele foi até a Escola Park Tool buscar a profissionalização. Formou-se e encontrou o reconhecimento do trabalho.

“Não imaginava que teria meu trabalho reconhecido, com tão pouco tempo de atuação profissional como mecânico de bicicleta formado, então foi uma surpresa e tanto. Devo reconhecer, também, que este prêmio é fruto do trabalho em equipe que temos na loja”, disse o hoje mecânico de bicicleta profissional Hebert.

Ele conta, também, que a empresa onde trabalha foi crucial neste momento da vida, pois deu todo o suporte para ele se capacitar no Curso de Formação Profissional da Escola Park Tool. Esta é prova de que as empresas estão se conscientizando da importância que é ter um profissional realmente capacitado e certificado, ainda mais por uma das principais instituições de ensino do segmento. Afinal, ter um profissional com um diploma na mão pode ser um grande diferencial para quem tem uma oficina de bicicletas.

Transformei meu hobby em minha profissão

“Sempre tentava consertar, desde pequeno, as minhas bicicletas e as dos meus amigos. Gostava muito de ajustar os freios da bike, foi o primeiro sistema que procurei entender para eu mesmo arrumar, depois a relação de marchas e por aí foi, mas até então fazia apenas por hobby. Hoje transformei meu hobby na minha profissão, trabalhando com o que realmente amo”, comemorou Hebert, que antes de atuar como mecânico de bicicleta, trabalhava em uma concessionária.

Hebert também destacou a estrutura e a qualidade da grade dos cursos oferecidos pela Escola, que contam, segundo ele, “com ótima didática, excelentes instrutores, sempre dispostos a tirar dúvidas e dedicados no atendimento. Além disso, oferecem o contato 100% com as ferramentas e bicicletas para a evolução do aprendizado”.

Planos para o futuro

Formado, certificado e reconhecido, Hebert sabe que não pode parar: “Não dá para parar de aprender, o aprendizado é diário, sempre tem algo novo surgindo!”

Como o conhecimento é algo que se renova, ele pretende manter a qualidade e progredir, mantendo-se sempre atualizado e focado no seu crescimento profissional.

“Desejo botar, ao longo da minha carreira, o sorriso no rosto dos nossos clientes, sejam os antigos que retornam ou os novos que estão por vir, pois se eles depositam a confiança no nosso trabalho, é nosso dever deixá-los satisfeitos”

 

E você, pronto para arrancar sorrisos, trabalhar com o que ama e ter o mesmo entusiasmo do Hebert? Faça como ele, busque a capacitação que o reconhecimento vem de forma natural. Acesse https://goo.gl/c88S2Z e se inscreva em um dos nossos cursos.

Estágio em oficinas e bike shops: oportunidade de inserção no mercado que só a Escola Park Tool oferece

Quem pretende trabalhar com mecânica profissional tem um ótimo aliado para entrar no mercado profissional e ter as primeiras experiências de trabalho. O programa de estágio da Escola Park Tool oferece esta oportunidade aos alunos formados no curso profissionalizante, colaborando com a adaptação do novo profissional ao segmento de mecânica de bicicleta.

Quando você está estudando, se capacitando e se preparando para uma carreira profissional, a ansiedade de se inserir no mercado de pode gerar preocupação. Afinal, nem sempre é fácil encontrar alguém que ofereça uma oportunidade de trabalhar.

Na Escola Park Tool é diferente: em parceria com algumas oficinas e bike shops, os alunos recém-formados têm a chance de aplicar todo conhecimento teórico e prático no dia a dia no ambiente de trabalho. E ao lado de um profissional capacitado, que orienta e auxilia nesses primeiros passos.

“Busquei a capacitação para trabalhar com o que eu amo e o programa de estágio dá o norte de por onde devemos começar. Viver a rotina de uma oficina e, principalmente, ter os ensinamentos, dicas e vivências de pessoas mais experientes está me ajudando a me sentir mais capacitado e confiante para atuar como mecânico de bicicletas”, explica José Eduardo Renó Costa, que atualmente estagia na Everybike, de São Paulo-SP.

Já o mecânico Wesley de Souza Lemos afirmou que o estágio que fez na Cyc Cyclist, também da capital paulista, foi crucial para sua vida profissional: “O estágio me ofereceu a prática de fato, aliada ao conhecimento que tive na Escola. Pude trabalhar e colocar a mão na massa. Hoje sinto que tenho uma ótima base para no futuro atender os meus clientes, solucionando todos os problemas que venham a ocorrer”.

Oportunidade única de ter uma experiência real de trabalho

Ao fazer parte do programa de estágio, o aluno consegue vivenciar a rotina de uma oficina, se deparando com problemas reais de clientes e ciclistas exigentes. Isso tudo prepara ainda mais o futuro profissional, que vai aprender pouco a pouco a como lidar com a questão de atendimento, reparos, ajustes, etc – e com o certificado internacional da Park Tool, que permite trabalhar como mecânico de bikes em praticamente qualquer lugar do mundo.

“Criamos o programa de estágio em 2014, em um dos treinamentos da Park Tool. Com isso, o futuro dono de loja ou mecânico profissional poderá ter uma experiência mais completa, ainda mais contando com profissionais e empresários já experimentados, que podem ajudar na troca de informações”, explicou o diretor de ensino e fundador da Escola Park Tool no Brasil Henrique Zompero.

O curso de Formação Profissional inclui os módulos Iniciante, Intermediário, Avançado, Suspensão Rock Shox e Manitou, Relação, Freio Hidráulico, Rodas, Di2 Eletrônico e Técnico Sr Suntour, totalizando 104 horas de aulas presenciais e aproximadamente 40 horas de estágio.

Que tal estar preparado para o mercado e ser um profissional reconhecido? Acesse agora mesmo nosso site e se inscreva: https://goo.gl/c88S2Z

Guia de cicloturismo: quais ferramentas levar em viagens curtas, viagens longas e travessias

Roteiros curtos, longos ou grandes travessias, não importa: cicloturismo, a melhor coisa que você pode levar é o conhecimento. Antes de tudo, a preparação e estudo da sua cicloviagem. Estar preparado e capacitado para pedalar longas distâncias e por vários dias, traçando um roteiro das cidades que irá passar serão grandes diferenciais durante a sua viagem. As paradas estratégicas tornarão sua viagem mais tranquila. Confira abaixo algumas dicas que irão ajudar muito no seu planejamento.

Monte um cronograma para fazer a manutenção da sua bicicleta

Uma boa viagem de bicicleta começa sempre pelo planejamento. No cicloturismo, então, planejar é se precaver. A principal dica é decidir previamente o roteiro da sua viagem e traçar um verdadeiro cronograma para realizar manutenções e ajustes na sua bicicleta.

Este roteiro de manutenção vai ajudar a aliviar o peso da sua bagagem. Ao dedicar algumas horas para buscar mecânicos profissionais e bem capacitados nas regiões que você irá passar, você evita que sua bicicleta tenha um maior desgaste. Mas procure sempre alguém realmente capacitado, que entenda as necessidades para resolver seus problemas e que tenha conhecimento comprovado sobre as indicações dos fabricantes.

Lembre-se: sua bike terá um uso contínuo e extremo, sendo muito necessária a lavagem e limpeza corretas dela para continuar funcionando bem.

Leve ferramentas estratégicas que não sejam muito pesadas

Durante uma cicloviagem você está sujeito a problemas, e isso é normal. O pneu pode furar, a corrente pode desencaixar e por aí vai. Por isso é interessante e essencial você montar um kit de emergência para praticar o cicloturismo:

  • Canivente multifunções: práticos, leves e muito funcionais, são capazes de sanar problemas emergenciais
  • Espátula para pneus: será muito útil nas emergências, para retirar o pneu da bicicleta e trocar a câmara;
  • Lubrificante para corrente: um tubinho de aproximadamente 60ml, além de leve e ocupar pouco espaço, é suficiente para lubrificar a corrente e eliminar a sujeira durante a cicloviagem;
  • Remendo para câmara e pneus: indispensável em qualquer saída para evitar que o pedal seja interrompido;
  • Bomba de mão para pneus: uma hora você vai precisar calibrar os pneus – lembre-se sempre de checar a calibragem correta, geralmente informada no próprio pneu;

Pergunta: é preciso levar manchão de pneus, cabos e pastilhas para os freios e outras ferramentas?

A verdade é que se o cronograma e planejamento para manutenções forem bem feitos, você não irá precisar de nada a mais, além destes 5 itens acima. Estes já serão suficientes para você ter a autonomia e realizar reparos e ajustes mais emergenciais, desde que, claro, você esteja capacitado para tais tarefas.

Capacite-se, busque conhecimento sobre a bike antes de praticar o cicloturismo

Se o conhecimento é o grande diferencial para praticar cicloturismo, a Escola Park Tool oferece diversos cursos de mecânica de bicicletas que promovem a capacitação dos ciclistas. Com foco na teoria e, principalmente, na prática, é possível entender e compreender a importância da manutenção preventiva para aumentar a vida útil da bike e seus componentes, assim como cada parte da bicicleta funciona, qual ferramenta é indicada para determinado ajuste, entre outras coisas.

*Publicada originalmente no Bike Magazine

*Foto: Israel Coifman/Lifelapse

Seja uma oficina autorizada em suspensão Rock Shox e componentes Sram

Mecânicos e lojistas formados na Escola Park Tool possuem, além da capacitação em diversas áreas da mecânica de bikes, benefícios que só conseguem obter aqui, na melhor escola de mecânica da América Latina. Um deles: se tornar uma oficina autorizada em Sram e em suspensão Rock Shox.

Centro Técnico Autorizado Sram e Suspensão Rock Shox

A sua oficina pode fazer parte deste seleto grupo e, através da especialização, se tornar um centro técnico autorizado Rock Shox e Sram, certificado pelo distribuidor oficial das duas marcas no Brasil. Para isso, é necessário que algum mecânico da sua equipe conclua os 4 módulos relacionados ao tema que a Escola Park Tool oferece: Suspensão Rock Shox, Shock Traseiro Rock Shox, Freio Hidráulico e Relação.

Única instituição do Brasil reconhecida pela Proparts para oferecer o conteúdo sobre os equipamentos, a Escola Park Tool iniciou uma parceria com o grupo ainda em 2017. O objetivo é promover vantagens aos profissionais de mecânica, lojistas e, consequentemente, aos ciclistas que fazem uso de produtos da marca.

Ser uma oficina autorizada só traz pontos positivos. Primeiro, significa que a sua empresa sabe como funcionam os componentes Sram e qualquer suspensão Rock Shox. Além disso, evita que ciclistas sejam lesados por reparos malfeitos por mecânicos não autorizados. Ainda mais em componentes e equipamentos com alto valor agregado, que necessitam de um trabalho de especialista, minucioso.

Seja referência: a especialização traz mais clientes e credibilidade

Marcelo Prust se formou na Escola Park Tool e, com isso, passou a ser referência na sua região, em Papanduva-SC, onde atende na Prust Bike Center. “A especialização se tornou um grande diferencial para o meu negócio, abrindo muito o mercado para mim, comemorou Prust.

E isso aconteceu justamente ao se tornar um centro técnico autorizado Rock Shox e Sram.

“O conhecimento que obtive foi capaz de aumentar minha credibilidade com os meus clientes. E, por ser autorizado Proparts, muitas pessoas vêm me procurar, pois confiam no trabalho e sabem que vão ter seu problema solucionado, tudo de acordo com o que o fabricante indica”, conclui ele.

Seja autoridade no assunto: ser referenciado por grandes marcas gera mais confiança

No caso de Antonio Estevão Neto, proprietário da Aestevão Bikes, que fica em Campo Grande-MS, o curso que concluiu mudou sua visão de negócios:.

“A certificação dá mais autoridade para o mecânico trabalhar. Como uma autorizada, tenho acesso a ferramentas e manuais técnico de alto nível e, principalmente, o acesso diferenciado a compra de grandes marcas e componentes que a distribuidora me proporciona”, explica.

 

Atestado de qualidade do distribuidor oficial de Rock Shox e Sram

Ao criar os padrões de qualificação passados nos cursos oferecidos pela Escola Park Tool, a Proparts passou a reconhecer os profissionais com CNPJ como uma oficina autorizada. Como especialista em suspensão Rock Shox e componentes Sram, você tem direito a comprar peças de reposição e manutenção direto com o distribuidor, que contam com alguns privilégios de atendimento e relacionamento comercial.

“Precisávamos ampliar a capacidade de treinar os mecânicos de sua rede de revendas de Rock Shox e SRAM. A parceria com a Escola Park Tool vai fazer com que a velocidade de propagação do conhecimento sobre a manutenção das tecnologias da Rock Shox seja muito maior”, analisa Marcelo Maciel, diretor geral do grupo Proparts.

É hora de se transformar e mostrar ao mercado como você pode se diferenciar. Com estes cursos, sua loja, além de ter um profissional atualizado e expert no assunto, estará habilitada a comercializar peças de reposição diretamente do distribuidor. Que baita oportunidade, não é mesmo?

Seja você o agente de mudança. Atualize-se e busque qualificação. O mercado de bicicletas vem crescendo ano após ano e com ele cresce a demanda de serviços e necessidade de profissionais ainda mais capacitados e atualizados.

 

 

Melhor mecânico do Brasil dá 3 dicas para você aplicar na rotina da sua oficina de bicicleta

Pela quarta vez ele chega ao lugar mais alto do pódio, no ranking que permite aos ciclistas avaliarem o serviço dos mecânicos profissionais, o Selo de Qualidade. Diego Hertel, campeão em fevereiro, abril e setembro, deu continuidade ao bom trabalho e conquistou posto de melhor mecânico de bikes do Brasil também em outubro. Conversamos com ele e pedimos algumas dicas do campeão para você aplicar em sua oficina de bicicleta e ser reconhecido pelos seus clientes. Confira:

Mantenha sempre a oficina limpa e organizada, principalmente a bancada e o chão

Uma das coisas que o curso profissionalizante da Escola Park Tool ensina é a questão da limpeza e organização na sua oficina de bicicleta. Afinal, a primeira impressão é a que fica, certo? Diego compreendeu a importância e aplicou as ideias no dia a dia da sua oficina, o que se mostrou um verdadeiro diferencial.

“A limpeza mostra muito do jeito do profissional e o cuidado que ele tem. Além disso, manter a bancada bem organizada, sem bagunça, ajuda muito nos processos de ajustes. O chão principalmente deve estar muito limpo, pois ajuda, inclusive a encontrar alguma peça que tenha caído”, comentou o mecânico da oficina D’Bike, de São Bernardo do Campo-SP.

Organize as ferramentas de acordo com o serviço que irá realizar

No curso que concluiu, Diego também aprendeu a ter mais praticidade no trabalho, facilitando os serviços de reparo e manutenção. Por isso, outra dica que ele compartilha para quem trabalha numa oficina de bicicleta é: organiza diariamente a sua bancada de ferramentas.

Ao separar as ferramentas de acordo com o seu uso e deixando-as agrupadas, perto uma das outras, você pode ter um desempenho muito melhor na sua rotina, realizando os processos de forma mais ágil. Além disso, deixa a bancada de ferramentas mais bonita e visualmente agradável.

Por exemplo: se for realizar um ajuste nas rodas, deixe as ferramentas para isso próximas e ao seu alcance. O mesmo acontece com ferramentas de movimento central ou qualquer que seja o seu foco e especialidade.

Ouça e entenda as necessidades do seu cliente

Trabalhar numa oficina de bicicleta exige conhecimento, qualificação e, além de tudo isso, especializações e um ótimo atendimento. Foi a soma desses fatores, não por acaso, que colaboraram para que Diego Hertel chegasse ao topo do Selo de Qualidade quatro vezes em 2018.

“O bom mecânico deve ouvir atentamente o cliente para entregar a melhor solução mecânica a ele. E, por isso, o curso de capacitação faz total diferença, junto com as especializações, que deixam o profissional ainda mais preparado. Com o conhecimento dos manuais de uso de cada fabricante é possível ter a confiança necessária e estar capacitado para realizar qualquer serviço, entregando um serviço de qualidade aos ciclistas”, explicou o mecânico do mês de setembro.

E aí, o que achou das dicas do campeão do Selo de Qualidade? Quer melhorar o seu serviço e atendimento e ser reconhecido no meio bike como um mecânico de confiança? Busque a capacitação, assim como fez Diego, e quem sabe você pode ser o próximo melhor mecânico do Brasil.

O que você precisa para montar a oficina mecânica de bikes ideal

Muita gente questiona: como é a oficina mecânica de bikes dos sonhos? Em que é preciso investir para ter sucesso como um mecânico profissional? Quais os produtos indispensáveis para quem vai abrir uma oficina? A Escola Park Tool responde tudo isso neste texto.

O que preciso investir para montar a oficina mecânica ideal?

Apenas duas coisas, mas que representam muito: conhecimento e capacitação. Juntos, são a base de qualquer negócio que alguém venha a construir. Logo, no segmento de mecânica de bicicletas, não é diferente.

Investir em um curso profissionalizante – e futuramente em especializações, grandes diferenciais – é a chave do sucesso para quem deseja viver do que gosta. Afinal, com ele é possível ter acesso a conteúdos teóricos e práticos, certificados por marcas renomadas (veja mais clicando aqui). O futuro mecânico profissional aprende a criar processos e padrões de serviços que visam a atender da melhor forma os clientes, no caso, os ciclistas.

Ao se capacitar profissionalmente, o aluno também aprende sobre gestão e precificação, além da parte mecânica, do funcionamento e particularidades das peças e componentes, claro.

É esse investimento que colabora para o mecânico se inserir no mercado, montando a sua oficina, dentro dos padrões de qualidade recomendados.

O que uma oficina mecânica precisa ter para ter credibilidade?

Antes de tudo, precisa de um profissional capacitado e certificado, que consiga passar confiança aos clientes e que estará apto a solucionar todos os problemas trazidos por eles. Depois, dois fatores são essenciais e grandes diferenciais de uma boa oficina: limpeza e organização.

Foi-se o tempo em que era normal ver uma oficina toda suja de graxa, assim como o próprio mecânico. Hoje a realidade é outra e o mecânico do século XXI deve se adaptar aos padrões exigidos, inclusive, pelos clientes.

Estética é importante, sim: é o seu cartão de visitas e diz muito sobre a aparência do local e o cuidado que o mecânico tem na sua área de trabalho. Logo, ter uma oficina totalmente limpa e higienizada fará os clientes olharem diferente para você. E, fique tranquilo, nos cursos oferecidos pela Escola Park Tool, você obtém dicas para isso, como por exemplo, utilizar luvas e um avental na hora de colocar a mão na massa.

Mas limpeza sem organização não adianta nada. Ter uma bancada de ferramentas com cada uma em seu devido lugar, além de mostrar quão organizado é o profissional, ajuda até a otimizar tempo de trabalho e os processos, de modo que o mecânico efetue os serviços e reparos da melhor maneira.

Uma boa dica é procurar um especialista em arquitetura ou design de interiores para ajudar a otimizar e organizar o espaço de trabalho.

E as ferramentas, quais eu preciso?

Isso varia muito do seu objetivo de trabalho e o foco da sua atuação. Mas, novamente, graças ao conhecimento obtido nos cursos da Escola Park Tool, o mecânico poderá entender de que forma ele irá atuar. Por isso não existe uma fórmula mágica ou um conjunto de ferramentas ideal para uma oficina.

Isso vai variar muito de acordo com seu perfil de cliente e de problemas que você venha a solucionar: se for um especialista em suspensão, será necessário um conjunto de ferramentas; se você for atuar em reparos e consertos gerais, outro tipo de ferramental. E assim por diantes.

O ideal é compreender o seu objetivo e a necessidade do seu cliente. A partir daí, o seu investimento será assertivo e o seu retorno financeiro será satisfatório dentro do que você planejou.

E, lembre-se: mecânicos de bicicletas existem muitos por aí, mas um com conhecimento qualificado, limpeza e organização não é tão fácil de achar. Esses podem e serão os seus diferenciais.