Manutenção de bike: 3 erros que você deve parar de cometer

 

Na trajetória de todo profissional, a busca pela evolução e excelência no serviço prestado é constante. Quando o assunto é manutenção de bike, não é diferente. Por isso, para você que já trabalha como mecânico de bicicletas trouxemos algumas dicas que podem clarear as ideias, ou então quebrar alguns mitos e desconstruir tudo o que você achava que sabia sobre mecânica e manutenção de bike.

Não importa o que digam, um profissional deve estar sempre se atualizando e questionando seus métodos, práticas e processos dentro de uma oficina de bicicletas. As tecnologias mudam, aparecem outras tantas e é preciso estar de olho nas tendências para poder atender às necessidades dos ciclistas da forma mais assertiva.

Confira agora três erros para você parar de cometer na manutenção de bike.

Erro número 1: deixar os manuais dos fabricantes de lado – chega de gambiarras!

Para manter um bom padrão de serviço e ser reconhecido pelo seu trabalho é imprescindível executar da maneira correta as manutenções, seguindo os protocolos que foram passados pelos fabricantes. Eles foram feitos para serem seguidos, respeitando cada particularidade de peças, produtos, ferramentas ou componentes.

Por isso, é preciso deixar de lado as gambiarras, pois não agrega valor ao seu trabalho, além de ser um marketing negativo do seu serviço. Cada vez mais os ciclistas têm conhecimento sobre mecânica de bikes, e isso os torna mais exigentes, não tem como enganar mais ninguém.

“Você tem que saber empregar a tecnologia, ter noção de padrões estabelecidos. Não é só a prática que faz o bom mecânico, existe uma metodologia, um suporte que você precisa acompanhar além de saber aplicar a teoria. Na Escola Park Tool eu aprendi a importância de ler o manual e seguir as regras. Só assim você sabe o que vai entregar”, afirmou Hugo Mônaco Cardoso, ex-aluno da Escola.

A opinião é corroborada por Iedo de Carvalho, que por duas vezes foi eleito o melhor mecânico de bike do Brasil, a partir do ranking Selo de Qualidade.

“Notei que em várias lojas e oficinas, os mecânicos não seguiam os padrões nem usavam as ferramentas certas. Alguns iam na base da marreta(!). Então, não podemos pensar que sabemos de tudo, pois não sabemos”, avaliou o mecânico de bikes do Paraná.

Erro número 2: não compartilhar informação nem ser transparente

Quem tem conhecimento deve segurar para si? A gente acredita que é muito pelo contrário. Ao ter a humildade e vontade de compartilhar informações com seus clientes, você pode levar ainda mais confiança a quem contrata seus serviços e, de quebra, aumenta a sua credibilidade, pois passa a ser uma referência de conhecimento no assunto.

Mecânico de bikes que atua em São Paulo, Fabio Latorre faz questão de reforçar a importância de conversar e ter o contato direto com seu cliente, sendo transparente e bem didático durante seus processos.

“Sempre dou um retorno do que estou fazendo, mostro fotos do processo, passo a passo quando necessário e sempre explico o porquê que tal procedimento está sendo realizado. Acho isso muito importante, sem contar que na retirada da bicicleta eu mostro o que tinha de errado ou certo e ainda dou algumas dicas de manutenção para que passa ser feita em casa, além de dicas de produtos”, explica ele.

Erro número 3: achar que sabe demais e não explorar seu negócio em potencial

A soberba não faz bem a ninguém no âmbito pessoal e será ainda mais prejudicial se falarmos em questões profissionais. Quem trabalha com mecânica de bikes deve ter esse olhar crítico sobre si para buscar a evolução e oferecer o melhor serviço possível.

“Me arrependo de não ter buscado a capacitação antes”, comentou Caetano Zammataro, proprietário da tradicional Bike Tech Jardins, em São Paulo-SP.

“Para ter uma ideia, eu achava que sabia trocar um pneu da forma certa. Mas em todos esses anos de bicicleta sempre havia feito o procedimento errado. Foi no curso da Escola Park Tool que aprendi o jeito certo e adequado, respeitando as normas e os processos. Isso te desconstrói: você não pode achar que sabe tudo, tem que ter humildade para querer aprender e crescer”, finalizou.

Após sua formação profissional na Escola Park Tool, conseguiu profissionalizar a gestão, melhorar o controle de custos e gastos e, ainda, otimizou o tempo de seus processos internos.

“Estudando a minha empresa, cheguei à conclusão que minha oficina era um produto a ser explorado. Podia ser muito mais do que uma bike shop”, lembra Caetano.

De quebra, após garantir o diploma internacional através da Formação Profissional, ele se tornou mecânico oficial da RAAM (Race Across America), ficando responsável pelos ajustes antes e depois das etapas, sentido a pressão de uma das provas mais árduas do ciclismo.

Esses são exemplos de pessoas incansáveis na busca de melhorias contínuas dentro do seu trabalho. As dicas foram úteis para você? Faça como eles e vá atrás do conhecimento: só ele é capaz de te levar ao caminho do sucesso nos negócios.

 

O que um mecânico de bikes pode fazer de diferente para ser reconhecido pelos cislistas?

Fabio Latorre, melhor mecânico do Brasil em julho e campeão do ranking Selo de Qualidade, responde à pergunta

Ele pedalava e sempre gostou de fazer os ajustes na própria bicicleta, pois não encontrava mecânicos aptos a realizarem os serviços de manutenção. Desconfiança? Receio de não prestarem o melhor serviço? Falta de conhecimento por parte dos profissionais? Tudo isso levou Fabio Latorre a buscar a capacitação em mecânica de bikes e obter sua autonomia no assunto. E, por receber o Selo de Qualidade após a formação profissional, neste mês, ele foi eleito pela segunda vez o melhor mecânico do Brasil, em avaliação feita pelos ciclistas.

O que antes era algo para ser de autoconhecimento próprio, sem ambições financeiras enquanto negócio, pouco tempo depois mudou. A criação da Oficina do Latorre, em São Paulo, veio para preencher uma lacuna ainda existente no mercado de mecânica de bicicletas: a falta de profissionalismo e qualificação.

“Estava procurando há um tempo um jeito de conseguir melhorar a manutenção da minha bike, pois gostava de eu mesmo fazer. Como sempre pedalei e entendia um pouco, vi que a maioria dos profissionais não davam a atenção necessária, nem eram organizados ou sinceros quanto ao trabalho realizado. Percebi, então, que após o curso eu mesmo era capaz de oferecer um serviço de qualidade como eu imaginava e esperava enquanto ciclista”, explica Fabio Latorre.

Para poder entender um pouco sobre o mercado e questão do profissionalismo dos mecânicos, Fabio encontrou na Escola Park Tool o conhecimento necessário. Tudo sobre o funcionamento de uma bike e seus componentes, manuais de uso de marcas, ferramentas adequadas, gestão de negócios, postura enquanto prestador de serviço e muito mais foi absorvido por ele durante o curso de Formação Profissional.

A preocupação com o problema do ciclista e transparência são essenciais num mecânico de bicicletas

Latorre comenta que, enquanto ciclista, o que mais lhe incomodava era o fato de muitas vezes não saber o que de fato era feito em sua bicicleta. E, após compreender o funcionamento das bikes e importância das ferramentas certas para determinados tipos de ajustes, pôde oferecer algo diferente para seus clientes, aplicando seu conhecimento na rotina da oficina.

“Era raro ver os mecânicos de bicicleta usarem o torquímetro, era mais na base do improviso. Além disso, eu dificilmente tinha um feedback preciso sobre o que era feito na minha bike, e observava a falta de organização das oficinas. Por isso, na minha oficina busco ser o mais transparente possível e explicar exatamente tudo o que fiz e o que deve ser feito para resolver os problemas dos ciclistas”, comenta ele.

Além da transparência e honestidade, fundamentos básicos em qualquer profissão, Latorre gosta de pensar na organização como um diferencial para os mecânicos de bike: “Isso eu aprendi após o curso, e é essencial para um bom mecânico. A capacitação me ensinou a importância de investir e utilizar as ferramentas certas e hoje organizo meu painel de acordo com as etapas do processo de ajuste mecânico”.

O mecânico formado na Escola Park Tool faz questão de mostrar ao ciclista cada ajuste e conserto realizado, explicando os motivos porque os fez. Isso demonstra a preocupação que tem com os problemas do seu cliente, o que gera ainda mais confiança e segurança por parte dos ciclistas. Além disso, ele diz, “procuro sempre dar dicas de manutenção e conservação da bike, mostrando algumas práticas que podem fazer a diferença para a longevidade da magrela, pois mostra minha honestidade, que não quero enganar o cliente”.

E você, o que faz de diferente em sua oficina? A capacitação profissional prepara para o mercado e inspira a realizar o melhor serviço possível. Está pronto?

 

Gestão profissional: curso rápido sobre software ajuda a lojistas e mecânicos a precificar seus serviços

Quem trabalha em uma bike shop, é empreendedor ou então é mecânico de bikes profissional sabe muito bem quão difícil e desafiador pode ser um trabalho de gestão profissional. Ela é crucial e um diferencial para o sucesso e consequentemente lucro do negócio, e pode ser decisiva também no fracasso de um projeto, quando feita de forma equivocada. Por isso a Escola Park Tool traz uma novidade para este semestre: um curso sobre o Bike Conecta, aplicativo que auxilia na gestão profissional do seu negócio.

Pensado e indicado para lojistas, gestores, mecânicos e profissionais que trabalham na rotina de oficinas e bike shops, o foco do curso estará na introdução e aprofundamento do sistema Bike Conecta, com destaque às soluções que ele pode oferecer nos problemas do dia a dia.

Importante: a aula é gratuita para o profissional que possui CNPJ e deseja utilizar o sistema do Bike Conecta em sua loja ou oficina. A capacitação será subsidiada e oferecida através desta parceria, com o objetivo de fazer a diferença na vida dos empreendedores.

“Muitos profissionais têm dificuldade em precificar seus serviços, por exemplo. Talvez esse seja um dos grandes desafios de quem trabalha no mercado de bicicletas. É um cálculo complexo, mas que é facilitado pelo Bike Conecta: ele capta a informação, organiza os dados e gera uma média através do custo e o valor do serviço que será prestado, sugerindo um valor exato e justo, de acordo com o seu perfil de gastos”, garante Henrique Zompero, diretor e fundador da Escola Park Tool.

Ele ainda destaca que a ideia é que a Escola ofereça todo suporte possível aos nossos alunos, tanto na parte mecânica quanto na parte da gestão, para garantir o futuro do aluno como empreendedor no mundo das bikes.

Como funciona?

O Bike Conecta oferece todas as ferramentas para o profissional do setor de bicicletas administrar o seu negócio, sendo também uma espécie de ponte entre o mecânico da oficina de bicicleta, o ciclista e o lojista.

Como sugere o nome, o software conecta a bicicleta – devidamente registrada – à rede do lojista e ao aplicativo Strava, usado pelo ciclista. Conforme os quilômetros vão sendo percorridos e pedalados, o Bike Conecta envia um alerta quando há a necessidade de uma manutenção, por exemplo.

“Com mais organização e entendendo melhor como funciona a dinâmica administrativa é possível ganhar mais, perder menos e fidelizar clientes. Tudo isso é facilitado pelo Bike Conecta, que otimiza a gestão e promove um controle na organização de produtos, cronogramas de manutenção, taxas, boletos, controle de estoque e fluxo de caixa”, explica Zompero.

O curso sobre gestão será a terceira novidade em 2019 na grade da Escola Park Tool – os outros dois foram de bike fit e de bicicletas elétricas.

Antes do curso, as aulas testes

O curso que irá abordar a tecnologia do Bike Conecta estará disponível em breve mas, antes, a Escola Park Tool promoveu uma espécie de versão Beta, com algumas aulas testes direcionadas a alunos e mecânicos formados na instituição.

Formado em mecânica profissional, Jonathan Junges veio diretamente do Rio Grande do Sul para buscar sua capacitação. Ele trabalha na oficina de bikes que era do seu pai, um negócio familiar e via a necessidade de aplicar uma gestão profissional para aumentar seu lucro e credibilidade.

“O que absorvi é que é difícil perder dinheiro com o Bike Conecta. Ele ajuda na organização total da sua loja, para entregar o lucro máximo possível dentro da sua realidade e perfil. Com as aulas bem didáticas e um conteúdo informativo sobre o sistema, com certeza vai melhorar o nosso serviço quando aplicarmos esse aprendizado no dia a dia”, explicou Jonathan.

Para se inscrever no curso sobre o Bike Conecta basta acessar o link: http://bit.ly/31SSsEf

Capacitação e especialização: faça da sua oficina um centro técnico autorizado das melhores marcas de freio e suspensão

Capacitação profissional, conhecimento e especialização. Essa trinca pode gerar inúmeros benefícios ao seu negócio e à sua oficina de bicicletas, essencial para conquistar clientes. E, para continuar crescendo de forma saudável, sem perder qualidade do serviço prestado, uma solução interessante pode ser investir na capacitação da sua própria equipe. Já pensou nisso?

“Nosso segmento ainda carece de mão-de-obra especializada. Como a demanda da oficina estava aumentando, resolvi investir em minha equipe, oferecendo a capacitação a um dos mecânicos para criar também uma padronização. E é incrível o resultado que estamos tendo, com um nível de excelência nos serviços prestados. Com certeza vale muito a pena, o resultado vem de forma rápida”, explica Vinicius Oliveira, gestor e mecânico da oficina Vini Bike, em Itapeva-SP.

Uma oficina mecânica que possua um profissional certificado e capacitado para realizar suas funções já é algo muito positivo, seja para o consumidor ou para o empresário. Com tantos ciclistas que entendem bastante de mecânica de bicicletas, por exemplo, não cabe mais a informalidade: a profissionalização é necessária para conquistar sua confiança e ser reconhecido no mercado.

Agora, uma oficina com vários mecânicos capacitados e especialistas em diversos temas de mecânica já se transforma num enorme diferencial, capaz de gerar ainda mais credibilidade à oficina. Além disso, com tantas particularidades entre uma marca e outra, processos e formas de realizar determinados ajustes, a especialização se torna ainda mais necessária!

“Vejo esse investimento como um voto de confiança e muito importante para poder prestar o melhor serviço possível. Após os cursos, posso dizer com toda certeza aos clientes o que tem que ser feito, posso identificar os problemas e resolvê-los com assertividade. Foi um ganho pessoal e profissional, e que agrega ainda mais valor à oficina enquanto empresa e equipe. Para mim foi uma ótima oportunidade de estar capacitado para o mercado de trabalho”, explicou Danilo Pereira, mecânico da Vini Bike.

Seja um especialista e se transforme num Centro Técnico Especializado das principais marcas

Mais que o conhecimento, a especialização feita na Escola Park Tool pode gerar ainda mais lucro e uma valorização em seu negócio, já que é possível se transformar num Cento Técnico Especializado de diversas marcas do meio bike, tais como Magura, RockShox, Sram, Suntour e X-Fusion.

“Aqui trabalhamos com mecânica em geral, mas já somos especialistas e oficina autorizada Magura, Manitou, RockShox, Shimano, Suntour e Sram. Cada marca tem sua particularidade e isso gera muita credibilidade e consequentemente lucro, já que trabalhamos próximos aos distribuidores. E o cliente consegue enxergar esses diferenciais, já que oferecemos vantagens e benefícios a eles, como acesso a peças que outras lojas ou oficinas não possuem. Então, é possível alcançar e atingir um público cada vez maior, justificando totalmente o investimento na equipe”, explica Vinicius.

Ao se inscrever nos diversos cursos de especialização da Escola Park Tool que oferecem esta possibilidade de virar um centro autorizado das marcas, o lojista poderá adquirir peças de reposição diretamente com o distribuidor nacional de cada marca, como explica Vinicius.

Ele também será capaz de obter preços diferenciados na aquisição dos produtos, com condições de pagamento especiais e menos burocracia.

Isso tudo poderá ser visto pelo próprio cliente, que terá a garantia de ter sua peça num tempo mais curto e alguém certificado pela própria marca, seja de suspensão ou freio, efetuando os ajustes necessários.

E você, o que está esperando para investir em sua equipe, ter um padrão de atendimento e de prestação de serviço e se tornar uma oficina especializada, um centro técnico autorizado?

 

 

Credibilidade, reconhecimento e lucro: melhor mecânico do Brasil explica o que a capacitação profissional traz

A capacitação profissional tem o poder de transformar a vida e as carreiras das pessoas que investem numa formação. E, para o mecânico profissional Hebert Luis Moreira Neto não foi diferente: ele foi eleito pela segunda vez o melhor mecânico do Brasil no ranking Selo de Qualidade, que mês a mês avalia, a partir de notas dos ciclistas, o melhor mecânico de bikes do país.

Hoje mecânico da Entre Trilhas, de Minas Gerais, há 1 ano Hebert teve o suporte da empresa que trabalha para buscar a profissionalização. Na Escola Park Tool, fez o curso de capacitação profissional e se tornou um mecânico certificado, fato primordial que o trouxe a ser eleito duas vezes o melhor mecânico de bicicletas do Brasil.

“Chegar à liderança do ranking mostra que estamos no caminho certo, apesar de não imaginar que com tão pouco tempo teria meu trabalho reconhecido nacionalmente”, afirma Hebert.

Além do orgulho da primeira posição, a capacitação profissional trouxe outros benefícios à sua rotina como mecânico de bikes.

Autoconfiança

“Com a capacitação profissional, descobri que sou capaz de fazer tudo. Os cursos são bem didáticos e práticos, com excelente instrutores, sempre dispostos a ajudar e sanar nossas dúvidas”, explica Hebert.

O conhecimento que é absorvido em sala de aula é para a vida toda e prepara realmente o profissional para o mercado de trabalho. Por isso, gera a autoconfiança de poder realizar os ajustes e reparos dos cada vez mais exigentes ciclistas do Brasil.

Credibilidade no mercado

A autoconfiança permite que você realize tudo o que é capaz, dentro do seu conhecimento. Logo, a partir desse conhecimento técnico adquirido é possível passar muito mais segurança ao cliente. “O conhecimento te torna um especialista e, sendo transparente e passando confiança ao ciclista, você acaba ganhando mais credibilidade”, comenta o melhor mecânico do mês de março.

E, você sabe, a credibilidade é algo intangível, difícil de ser computada, mas tem um valor imenso em qualquer área de atuação. No segmento de mecânica de bikes não é diferente. O boca a boca ainda é muito valioso, e quando você presta um serviço de qualidade, um ciclista vai falando para o outro, comentando e divulgando o seu bom trabalho. “Um cliente que sai satisfeito traz mais 10 para o seu negócio”, afirma ele.

Reconhecimento profissional

É incrível como uma coisa está ligada a outra e tudo é consequência de um fato: a capacitação profissional. Com a autoconfiança gerada a partir do conhecimento você ganha credibilidade e, com ela, o reconhecimento profissional está ainda mais próximo. Este reconhecimento é a prova cabal do trabalho bem feito, prova que você virou realmente uma referência no assunto.

“Isso prova o quão profissional de verdade você tem sido e o quão sério você leva essa profissão, que também é uma arte”, explica ele.

E o reconhecimento, segundo Hebert tem se transformado em mais clientes e, logo, mais lucro à oficina que trabalha: “a cada dia tem aparecido mais clientes, desde as bikes mais simples, até de performance, assim como atletas de alto nível têm confiado bastante em meu trabalho”.

Hebert ressalta, porém, o trabalho e a gestão feitos em equipe na loja que trabalha. “Isso é um diferencial para fazer novos clientes e propiciar que os antigos clientes voltem quando surge algum problema”, conclui.

 

E você, o que está esperando para se qualificar e iniciar uma nova profissão? A capacitação profissional no segmento de mecânica de bicicleta é acessível a qualquer pessoa que deseja transformar sua vida e ter um retorno financeiro rápido.

 

 

Gestão profissional: como melhorar a administração da minha oficina de bicicleta?

Essa realmente é uma pergunta importante e corriqueira, feita por quem administra ou trabalha numa oficina de bicicleta. Ela se faz muito necessária numa gestão profissional: mas qual é a resposta à pergunta?

A gestão completa de um negócio muitas vezes pode parecer um grande desafio. Inclua nisso a precificação de produtos e serviços dentro de uma oficina de bicicleta, por exemplo, tema também de muita dúvida, que pode variar de acordo com a sua realidade. Afinal, antes de tudo é preciso analisar o seu investimento inicial e como você quer se colocar dentro deste mercado, certo?

Mas é possível, sim, ter acesso ao “mapa da mina” e realizar uma boa gestão profissional. Para tanto, antes de mais nada, serão necessários o conhecimento e capacitação.

CONFIRA AQUI O QUE VOCÊ PRECISA PARA MONTAR A SUA OFICINA

A Escola Park Tool está sempre preocupada em fazer parcerias com empresas que se preocupam em formar o melhor e mais completo profissional possível no segmento de mecânica de bicicleta. Tudo isso para que você esteja apto a realizar os serviços de manutenção ou até montar a sua própria loja ou oficina de bicicleta.

E é aí que os nossos cursos de mecânica se diferenciam: eles te preparam para o mercado, mostrando a importância da capacitação. E esta passa, também, por uma gestão profissional e eficiente do seu próprio negócio.

Gestão profissional que pode ser desenvolvida por uma ferramenta inteligente que o aluno da Escola Park Tool conhece dentro da sala de aula, o Bike Conecta.

Sua gestão profissional facilitada por uma plataforma inteligente

O Bike Conecta é uma plataforma de gestão que contribui na rotina de trabalho de qualquer oficina de bicicleta. Inteligente e intuitivo, o software ajuda demais no controle e administração de entradas, saídas e movimentações financeiras, que ficam armazenadas num banco de dados.

Assim, com mais organização, informações sobre controle de estoque, fluxo de caixa e entendendo melhor como funciona a dinâmica administrativa, é possível ganhar mais dinheiro. Além de fidelizar clientes e conquistar outros, só para citar alguns benefícios.

CONHEÇA OS CURSOS DA ESCOLA PARK TOOL E PROFISSIONALIZE-SE

E quanto à precificação que, como dissemos, varia muito de caso para caso? Ele também pode ajudar a precificar os serviços corretamente. Mas como? O Bike Conecta gera o preço médio das últimas compras, possibilitando um desconto saudável ao lojista e ao consumidor, e até indicando um preço de serviço ou produto condizente ao seu perfil de empresário.

Além de toda essa funcionalidade que colabora para a gestão profissional de uma oficina de bicicleta, como o próprio nome do sistema sugere, ele é uma ponte entre o lojista ou mecânico e o ciclista, fazendo a conexão entre as duas partes. Ele pode ser sincronizado ao aplicativo Strava do ciclista, que conforme percorre os quilômetros pedalando, é avisado por meio de um alerta quando é hora de voltar à oficina para realizar uma manutenção.

O conhecimento adquirido na Escola aliado a tecnologia do Bike Conecta oferece todas as ferramentas para o profissional do setor de bicicletas administrar o seu negócio. E você, está preparado para uma gestão profissional em sua oficina de bicicletas? Conheça nossos cursos e dê um passo rumo à profissionalização.

 

“Ganhar o Selo de Qualidade melhorou a minha vida até financeiramente”

Dono de uma oficina de bicicletas em Curitiba, Iedo de Carvalho teve várias atitudes que o fizeram mudar de vida nos últimos anos. A mais marcante foi quando decidiu deixar de ser analista de logística para trabalhar com o que ama: a bicicleta. Outra aconteceu em agosto de 2018, quando ficou em primeiro lugar no ranking Selo de Qualidade, que avalia atendimento e serviço e classifica mensalmente o melhor mecânico de bikes do Brasil.

Em janeiro de 2019 Iedo mais mais uma vez, através dos votos dos ciclistas, ficou em primeiro entre todos os mecânicos do território nacional. Para ele a conquista vai muito além do reconhecimento: o faturamento dele cresceu em cerca de 40% desde que ele conquistou o topo do ranking pela primeira vez.

“Depois de ganhar em agosto de 2018 deu uma disparada no número de clientes, no número de ciclistas que leva a bicicleta pra mim. Além da visibilidade de estar entre os melhores mecânicos de bicicleta do Brasil, houve uma melhora significativa em relação aos meus rendimentos. Posso dizer que minha oficina está em fase de crescimento, muito graças a ficar em primeiro no Selo de Qualidade”, comenta ele.

Como começou a mudar de vida

A primeira mudança de Iedo foi quando ele decidiu trabalhar com bike. Ciclista desde os 14 anos, ele não era completamente satisfeito trabalhando na área de logística – mesmo tendo um emprego considerado bom. Nesta época, lendo um artigo no site Bikemagazine, decidiu conhecer melhor a Escola Park Tool.

“Achei que era hora de mudar de vida e que este poderia ser um caminho pra mim, já que eu sempre gostei de pedalar. Fazer os módulos de capacitação da Escola Park Tool foi a melhor escolha pra mim na época”, explica.

CONHEÇA OS CURSOS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL E MUDE DE VIDA TAMBÉM

Já formado em administração, a primeira mudança na vida de Iedo foi fazer o curso de formação da Escola Park Tool. Em seguida começou a atender ciclistas de Curitiba-PR, especialmente praticantes de mountain bike. Outro fator decisivo para mudar de vida foi a satisfação pessoal depois de começar na nova profissão.

“Não dá pra comparar a minha satisfação de hoje da época em que trabalhava com logística. Hoje eu faço o que gosto, todo dia eu vou trabalhar feliz pelo que faço. E financeiramente tenho o retorno suficiente pra uma vida tranquila”, explica.

“Pedalei a minha vida inteira, mas depois da faculdade de Administração ingressei em empregos da área. Entrei num ciclo de trabalho e meio que larguei a bike por quase 8 anos. Quando fiz o curso da Escola Park Tool e comecei a trabalhar com bike, foi a melhor coisa que fiz pra mim mesmo”, complementa.

A oficina

Quando iniciou o próprio negócio, a YoBike, Iedo colocou uma meta: ter 300 clientes em carteira. Hoje, menos de 5 anos depois, tem mais de 350 clientes em carteira e pelo menos 115 totalmente fieis, que periodicamente levam as bicicletas para ele cuidar.

“Quando eu iniciei a oficina a renda era bem mais baixa do que hoje, o que é natural. Foi degrau a degrau, com conhecimento e qualificação, que fui tendo mais credibilidade”, conta.

Hoje, a YoBike é Centro Técnico Autorizado de diversas marcas mundialmente conhecidas, como Magura, Sram, RockShox, Shimano e Suntour.

Quer mudar de vida também? Venha para a Escola Park Tool, garanta sua qualificação e tenha a vida que sempre quis, trabalhando com o que gosta.

Melhor mecânico do Brasil dá 3 dicas para você aplicar na rotina da sua oficina de bicicleta

Pela quarta vez ele chega ao lugar mais alto do pódio, no ranking que permite aos ciclistas avaliarem o serviço dos mecânicos profissionais, o Selo de Qualidade. Diego Hertel, campeão em fevereiro, abril e setembro, deu continuidade ao bom trabalho e conquistou posto de melhor mecânico de bikes do Brasil também em outubro. Conversamos com ele e pedimos algumas dicas do campeão para você aplicar em sua oficina de bicicleta e ser reconhecido pelos seus clientes. Confira:

Mantenha sempre a oficina limpa e organizada, principalmente a bancada e o chão

Uma das coisas que o curso profissionalizante da Escola Park Tool ensina é a questão da limpeza e organização na sua oficina de bicicleta. Afinal, a primeira impressão é a que fica, certo? Diego compreendeu a importância e aplicou as ideias no dia a dia da sua oficina, o que se mostrou um verdadeiro diferencial.

“A limpeza mostra muito do jeito do profissional e o cuidado que ele tem. Além disso, manter a bancada bem organizada, sem bagunça, ajuda muito nos processos de ajustes. O chão principalmente deve estar muito limpo, pois ajuda, inclusive a encontrar alguma peça que tenha caído”, comentou o mecânico da oficina D’Bike, de São Bernardo do Campo-SP.

Organize as ferramentas de acordo com o serviço que irá realizar

No curso que concluiu, Diego também aprendeu a ter mais praticidade no trabalho, facilitando os serviços de reparo e manutenção. Por isso, outra dica que ele compartilha para quem trabalha numa oficina de bicicleta é: organiza diariamente a sua bancada de ferramentas.

Ao separar as ferramentas de acordo com o seu uso e deixando-as agrupadas, perto uma das outras, você pode ter um desempenho muito melhor na sua rotina, realizando os processos de forma mais ágil. Além disso, deixa a bancada de ferramentas mais bonita e visualmente agradável.

Por exemplo: se for realizar um ajuste nas rodas, deixe as ferramentas para isso próximas e ao seu alcance. O mesmo acontece com ferramentas de movimento central ou qualquer que seja o seu foco e especialidade.

Ouça e entenda as necessidades do seu cliente

Trabalhar numa oficina de bicicleta exige conhecimento, qualificação e, além de tudo isso, especializações e um ótimo atendimento. Foi a soma desses fatores, não por acaso, que colaboraram para que Diego Hertel chegasse ao topo do Selo de Qualidade quatro vezes em 2018.

“O bom mecânico deve ouvir atentamente o cliente para entregar a melhor solução mecânica a ele. E, por isso, o curso de capacitação faz total diferença, junto com as especializações, que deixam o profissional ainda mais preparado. Com o conhecimento dos manuais de uso de cada fabricante é possível ter a confiança necessária e estar capacitado para realizar qualquer serviço, entregando um serviço de qualidade aos ciclistas”, explicou o mecânico do mês de setembro.

E aí, o que achou das dicas do campeão do Selo de Qualidade? Quer melhorar o seu serviço e atendimento e ser reconhecido no meio bike como um mecânico de confiança? Busque a capacitação, assim como fez Diego, e quem sabe você pode ser o próximo melhor mecânico do Brasil.

Desafio Rural: Escola Park Tool confirma oficina móvel de bicicletas no evento

É oficial, senhoras e senhores. A Escola Park Tool tem presença confirmada no Desafio Rural 2017, uma das competições de mountain bike mais legais realizadas no estado de São Paulo. A bordo de suas respectivas bicicletas e acompanhando a van e oficina móvel oficial da escola, alunos e professores percorrerão as quatro etapas da disputa que começa no dia 2 de abril, em Guararema-SP.

“A Escola Park Tool é uma empresa reconhecida no mercado por sua credibilidade e notoriedade em mecânica de bicicletas. Ser parceiro dessa instituição traz mais reconhecimento e bagagem para o Desafio Rural”, comenta Renata Oliveira, uma das organizadoras do evento.

Mecânica de bicicletas: aprendendo na prática

Como apoiadora e parceira do desafio, a Escola Park Tool disponibilizará o suporte mecânico aos 300 inscritos na prova. Uma ótima oportunidade para os alunos da instituição aprenderem na prática e sentirem o clima de uma corrida.

Isso porque, nesse ano, o Desafio Rural adotou pela primeira vez o formato de competição com direito à troféu para os três primeiros colocados.

“Nosso público é de ciclistas entusiastas que estão começando a pedalar.  O apoio mecânico é um dos diferenciais que estamos oferecendo aos competidores”, completa Renata.

Para Henrique Zompero, fundador da Escola Park Tool no Brasil, o evento servirá de grande aprendizado para os alunos.

“Por isso levaremos a estrutura da nossa oficina móvel. Nos trechos menores, os alunos irão acompanhar o pelotão de bicicleta. Já nos trechos mais longos, usaremos a van. Chegando lá, terão a oportunidade de ver como é diferente de trabalhar dentro de uma oficina”, analisa Zompero.

Para fazer sua inscrição na primeira etapa do Desafio Rural 2017, clique aqui.

Gostou do conteúdo? Mande sugestões para a gente saber que tipo de notícia você mais gostaria de ler! E se quiser ficar mais por dentro das outras novidades, siga a gente nas redes sociais no Facebook e no Instagram.

De arquiteto a empresário: como Eduardo Swalen abriu sua oficina de bicicleta concept store da TREK

“Nunca é tarde demais para recomeçar” ou “os 50 são os novos 30” são chavões ou clichês – se você preferir, mas eles descrevem perfeitamente a história de vida de Eduardo Swaelen, ex-aluno da Escola Park Tool. Aos 51 anos, Eduardo terminou o curso profissionalizante da escola de mecânica e inaugurou a Cyclist, sua própria oficina de bicicleta e concept store da Trek (com mais dois sócios: Ricardo Chemmer e Christian Krieger) em São Paulo-SP.

Hoje, você vai conhecer toda a história desse carioca que mora na capital paulista. Aproveite… vai que ela é inspiradora para você:

Mudando de vida

“Eu trabalhei minha vida inteira como arquiteto e sempre tive o triatlo como hobby. Quando completei 50 anos, decidi mudar de profissão e trabalhar com algo que envolvido com bicicleta. Então, viajei para Barcelona (Espanha) e fiquei por lá durante 1 ano. Foi onde tive a oportunidade de fazer meu primeiro curso da Escola Park Tool. Ela é muito parecida com a que temos aqui no Brasil. O curso abriu minha cabeça. Então, resolvi voltar e abrir meu próprio negócio”.

A volta ao Brasil e a busca por capacitação

“Voltei disposto a me aprofundar na área e conhecer o mercado. Então, busquei outro curso profissionalizante e encontrei a Escola Park Tool do Brasil. Já conhecia a marca que é bastante conceituada. Me matriculei, fiz todos os módulos e completei o estágio. Isso me deu amadurecimento no setor de bicicletas. E não aprendi só a parte técnica. Conheci mais sobre o mercado, fornecedores, a relação com mecânicos, etc. Foi muito esclarecedor”.

Abrindo a loja

“Abrir minha primeira loja e oficina de bicicleta foi um grande desafio. Nunca tive nada parecido. Meus sócios também vêm do triatlo e a gente queria algo que não só fosse reconhecido por vender acessórios e bicicletas. Nosso objetivo sempre foi ser referência em mecânica para que os melhores venham trabalhar com a gente. Isso eu não vejo em outras lojas. O mecânico ganha a fama, sai e leva o cliente. Nossa ideia era abrir um lugar em que o mecânico encontra as melhores condições para trabalhar”.

WhatsApp Image 2017-01-24 at 16.56.11

Loja e oficina de bicicleta Cyclist, em São Paulo-SP

Tocando o negócio

“Abrimos as portas da nossa loja e oficina de bicicletas no dia 1º de novembro. A inauguração aconteceu no dia 28. Hoje posso dizer que estou bastante feliz com o que construímos. Nós exigimos que nossos funcionários estejam bem arrumados – inclusive os mecânicos – e a oficina limpa e organizada. Quem chega aqui é convidado a entrar e conhecer nossa oficina e conversar com nossos mecânicos de bicicleta. O atendimento é prioridade e tudo deve ser muito bem explicado para o cliente”.

Parcerias

“O contato com a TREK foi um passo muito importante. Deu a oportunidade de fazer uma concept store. Aceitamos e tocamos em frente. Quando resolvi abrir a loja, conversei com o Henrique (Zompero) e aí fechamos uma parceria bem legal. Os alunos da Escola Park Tool vêm fazer estágio aqui, conhecem a loja e nós damos a oportunidade para eles. Todo mundo cresce junto”.

Repassando o conhecimento

“Nosso objetivo é transformar o mecânico num especialista como um médico. O próximo passo é que os nossos mecânicos de bicicletas façam o curso profissionalizante da Escola Park Tool e os nossos vendedores façam pelo menos o intermediário. Afinal, todo mundo precisa saber o que está falando”.

O que pensa dos cursos da Escola Park Tool?

“Lá foi onde aprendi mais do que mecânica de bicicleta. Aprendi conceito, imagem, arrumação de gôndola, a fazer negócios, lidar com parceiros, clientes, fornecedores, etc. O aluno faz o curso e sai totalmente capacitado não só como mecânico, mas também para ser vendedor, lojista e empresário, por exemplo”.

E aí, curtiu? Mande mais sugestões para a gente do que você gostaria de saber!

E se quiser ficar mais por dentro, siga a gente nas redes sociais no Facebook e no Instagram.