Formado na Escola Park Tool, Ricardo Nagatomo mostra como ser feliz trabalhando com bicicleta

Muitas pessoas nem imaginam, mas boa parte dos alunos formados na Escola Park Tool veio de outros mercados de trabalho. Eles nos procuram inicialmente por serem apaixonados por bicicleta, mas quando entram para assistir a primeira aula do módulo percebem que aquele pode ser um ponto de mudança na carreira, quando aprendem como ser feliz profissionalmente.

Mas como ser feliz – de verdade – com o meu trabalho? Se você gosta de bicicletas, tornando-se mecânico capacitado ou exercendo uma outra função dentro do segmento é um bom caminho. Para lhe ajudar com uma boa história inspiradora, vamos contar a trajetória de Ricardo Mitsuaki Nagatomo, 44 anos, formado dentro da Escola Park Tool.

Financeiro, RH e cobranças

Antes de entrar no mercado de bicicletas, Ricardo era coordenador administrativo numa empresa de instalação de ar condicionados. Entre suas funções, ele era o responsável pela parte financeira, o RH e as cobranças do negócio.

“Nessa época eu procurei a assessoria de um profissional especializado em coaching. Foi nesse processo quando eu finalmente descobri que uma paixão de infância poderia se tornar minha profissão”, conta Ricardo.

Então, Ricardo buscou o sonho de trabalhar com bicicleta, sua paixão desde a infância. A resposta da pergunta “como ser feliz?” estava mais perto do que ele imaginava.

Capacitação e qualificação

“Encontrei a Escola Park Tool na internet. Depois me matriculei e completei todos os módulos da formação profissional (módulos iniciante, intermediário, avançado, relação, freio hidráulico, rodas, cubo de marcha interna, Di2, suspensões Manitou e Rock Shox). Achei o curso bastante completo e com excelente estrutura para desenvolver a parte prática”, comenta.

Hoje, Ricardo atua no mercado de bicicletas. Mais precisamente na Escola Park Tool como mecânico e coordenador de estágios práticos. Depois de muito trabalho, dedicação e estudo ele finalmente trabalha com aquilo que mais gosta. Se o Ricardo conseguiu, o que impediria você de chegar até lá, não é mesmo?

Gostou do conteúdo? Mande sugestões para a gente saber que tipo de notícia você mais gostaria de ler! E se quiser ficar mais por dentro das outras novidades, siga a gente nas redes sociais no Facebook e no Instagram.

Bicicleta: 3 passos para fidelizar o cliente da sua oficina

Pioneira na qualificação e capacitação de mecânicos de bicicleta na América Latina, a Escola Park Tool é uma referência quando o assunto é formação de profissionais. E, para o lojista, contar com um profissional desse gabarito na sua equipe é fundamental para fidelizar novos clientes.

Um dos grandes diferenciais da Escola Park Tool é que não basta ter conhecimento, se o profissional não souber como passá-lo. Essa filosofia levou a instituição a desenvolver um trabalho especializado em ensinar ao mecânico o atendimento ao cliente. Quer saber como? Veja os três passos abaixo:

Passo 1: adquirir conhecimento prático e técnico

Em primeiro lugar, o profissional deve buscar o conhecimento, a técnica e a informação para qualificar seu serviço. A ideia é que o mecânico não apenas chegue, diga que é para trocar tudo na bike e pronto: está resolvido. Ele deve entender o funcionamento, analisar o problema em questão e depois apontar um diagnóstico. Mostrar passo a passo o que será feito durante o trabalho passará segurança ao cliente.

Passo 2: saber como orientar o cliente

Não bastar ter todo conhecimento do mundo, se o mecânico não souber como passar a informação do que está acontecendo e como será resolvido. Uma boa dica para tornar-se uma referência é ser bem claro e ir direto ao problema, explicando o motivo daquele procedimento ser feito daquela maneira. Essa análise é um grande diferencial entre os profissionais que estão hoje no mercado.

“Em todos os módulos nós passamos para os alunos a linguagem que o mecânico deve usar. Nosso propósito é que o mecânico de bicicletas se torne um vendedor do seu serviço, entendendo melhor o que está acontecendo na bike e saiba passar isso para o ciclista”, comenta Henrique Zompero, idealizador e fundador da primeira Escola Park Tool na América Latina.

Passo 3: prevenção e antecipação do problema

A manutenção preventiva sempre será mais barata do que a corretiva. Ao apresentar a solução do problema antes que ele apareça, o mecânico orienta o ciclista a otimizar o tempo de funcionamento da sua bicicleta. Dessa maneira, evita gastos desnecessários ou uma possível perda de tempo com a bicicleta parada na oficina.

Na Escola Park Tool, por exemplo, os alunos aprendem a montar uma tabela de manutenção preventiva onde é possível gerenciar toda informação do que é gasto e quanto pode vir a durar determinada peça da bicicleta.

“O conteúdo é passado durante todas as aulas desde o módulo iniciante. Normalmente nós temos três públicos diferentes na sala: mecânicos, consumidores e futuros lojistas. Funciona como um workshop onde levamos a dificuldade de cada um deles. Por exemplo, o atendimento do mecânico, a autonomia do ciclista, como o lojista deve lidar com o seu distribuidor. É preciso que cada um entenda melhor o seu universo e o do outro”, finaliza Zompero.

Quer saber mais sobre os cursos da Escola Park Tool? Entre no site www.escolaparktool.com.br ou veja no Facebook www.facebook.com/escolaparktool.