Dica de mecânica: é hora da manutenção do cubo de bicicleta

Parte central das rodas, em que são fixados os raios que se conectam aos aros, o cubo de bicicleta garante o apoio necessário para que você pedale tranquilo. O problema é que, por ser muito exposto, o cubo, especialmente o traseiro, acumula muita sujeira e pode se deteriorar com a falta da manutenção preventiva diminuindo a vida útil. Por isso, saber a hora certa da revisão e como fazer a manutenção correta é crucial.

Antes de mais nada, é preciso lembrar da importância da manutenção preventiva na bicicleta. Algo que muitos ciclistas não dão atenção, mas que é essencial para manter a “saúde” da bicicleta em dia, prolongando a vida útil de peças e componentes.

É por falta da manutenção preventiva que muitas vezes surgem problemas antes do esperado na bicicleta, inclusive no cubo de bicicleta. Um cubo de marcha interna aguenta rodar cerca de 5.000 km e deve ser trocado em aproximadamente 2 anos, mas é preciso estar atento ao seu funcionamento.

Com o passar do tempo e com a ausência de graxa, o cubo de bicicleta traseiro acumula sujeira, como terra e arreia, e pode acabar corroendo a pista do cubo. É possível ver isso ao rodar o eixo e sentir uma “crocância”, um movimento trêmulo no giro da roda.

Podem ser as esferas que estão comprometidas, e isso pode gerar um problema que vai encurtar a vida útil do cubo. Ainda mais se a manutenção demorar mais do que o necessário ou, pior ainda, se a manutenção preventiva for ignorada.

Hora da manutenção do cubo de bicicleta traseiro

Muitas pessoas costumam dizer que a manutenção do cubo de bicicleta traseiro é mais difícil do que a do dianteiro, mas isso é mais um dos mitos criados na mecânica de bicicletas. Na verdade, o processo é simples, o que muda é que no traseiro existe o cassete, de simples e fácil remoção. Neste vídeo abaixo, disponível na série Askbike, do canal no Youtube da Escola, o fundador de diretor de ensino da Escola Park Tool Henrique Zompero explica como realizar a manutenção do cubo de bike traseiro.

Você vai precisar de apenas duas ferramentas para fazer a manutenção do cubo de bicicleta traseiro:

  • Chave auxiliar para remoção de cassete Park Tool SR-11
  • Ferramenta de trava de cassete Park Tool FR5.2H

O primeiro passo consiste em retirar a blocagem e colocar a ferramenta de remoção SR11 no cassete, posicionando-o de forma correta para fazer o torque. Uma dica é ficar no chão para colocar mais força no processo e remover, enfim, a tampa após o torque.

Retirando a tampa, será possível tirar pinhão por pinhão, deixando-os numa ordem lógica para depois colocá-los novamente ao final da manutenção. Depois é preciso tirar o rotor, que tem o mesmo processo, mas sem a ferramenta de cassete.

Lembre-se que os manuais de instrução dos fabricantes ajudam muito na hora de montar ou desmontar as peças e componentes, não se esqueça de checar alguma informação, caso tenha dúvidas.

Para continuar, vamos remover o cubo, e por isso é importante ter a consciência de usar as ferramentas adequadas para cada situação, como a ferramenta de trava FR5.2H, ideal para o aperto correto do cubo.

Será preciso uma pinça magnética ou imã para remover as esferas do cubo (também chamadas de bilhas), para que nenhuma se perca. Para retirá-las, basta levantar a roda, inserir a pinça e pronto, tanto do lado esquerdo como do direito.

Limpando o cubo de bicicleta traseiro

A limpeza do cubo não é complexa, é necessário apenas um pano seco, sem necessidade de qualquer desengraxante. Como o meio do cubo é oco, ao utilizar um desengraxante ele pode acumular e se misturar com a graxa, eliminando o produto que é necessário nessa peça.

Já nas peças que foram retiradas, a dica é utilizar um desengraxante a base d’água, fácil de limpar e ecológico, que não agride em nada os componentes da bike.

No momento em que for necessário aplicar a graxa, cabe sempre o bom senso. Um aplicador de graxa, ou até mesmo uma seringa cirúrgica pode colaborar para colocar a quantidade adequada no cubo.

Depois disso, basta fazer a montagem novamente dos componentes, seguindo a ordem e a lógica da desmontagem. Lembrando: sempre seguindo as instruções do manual do fabricante.

Como muitas outras peças e componentes de bike, existem alguns sistemas diferentes de cubo de bicicleta e a forma como usá-los. Pensando em cada particularidade de cubo, a Escola Park Tool oferece a ciclistas e mecânicos de bicicleta um curso que compõe o curso de Formação Profissional.

É o módulo de Cubo de Marcha Lenta, em que é passado a limpo todo o processo de manutenção, levando conteúdo sobre regulagem, ajuste e capacitando os alunos para a instalação do cubo de bicicleta. É a oportunidade de mecânicos e oficinas garantirem mais um produto e potencial lucro em seu negócio.

Curso de montagem e manutenção de bikes elétricas é novidade no mercado de bicicletas

As bicicletas elétricas vieram para ficar. De acordo com pesquisas da Aliança Bike, cerca de 20% das bicicletarias do Brasil comercializam bikes elétricas, enquanto outros lojistas que ainda não comercializam declararam intenção em ter este produto nos próximos anos. Diante deste cenário, a Escola Park Tool lançou um novo curso este ano em sua grade de ensino: o Curso de Montagem e Manutenção de Bikes Elétricas.

Com a projeção ainda maior de crescimento das e-bikes, é preciso estar preparado para atender à nova demanda e apto para solucionar problemas de manutenção e mecânica. Por isso, o módulo é realizado em parceria com a fabricante de bicicletas elétricas italiana Move Your Life, que também possui fábrica no Brasil, e é indicado para os mecânicos profissionais, lojistas e para quem vê o curso como uma nova oportunidade profissional.

Dotadas de componentes, tecnologia e detalhes particulares, as bicicletas elétricas merecem atenção especial. As particularidades das e-bikes não se restringem apenas ao motor, mas a uma série de fatores que fazem o equipamento funcionar da forma correta. Por isso a proposta da Escola vai ao encontro da necessidade da informação e conhecimento técnico.

“Acredito que para um produto como este ter sucesso, é necessário revendedores e mecânicos capacitados, da venda ao pós-venda e manutenção. Da mesma forma é importante ter os parceiros certos, pois além de muitas tecnologias é necessário compreender que, neste tipo de produto, adaptações e achismos não são bem-vindos para solucionar problemas de manutenção”, afirma o gerente comercial da Scott no Brasil, Raphael Caliendo.

Ele ainda comenta que as bikes elétricas já são, de fato, uma realidade. Existem países na Europa, segundo Caliendo, em que o faturamento destes modelos já supera o das bicicletas convencionais.

Por aqui, a Aliança Bike estima que aproximadamente 31 mil bicicletas elétricas sejam vendidas no Brasil em 2019, número consideravelmente pequeno em relação aos outros modelos tradicionais, mas 70% superior ao de 2017.

O que saber sobre o Curso de Montagem e Manutenção de Bikes Elétricas.

Quem se inscrever no novo curso da Escola Park Tool terá acesso a uma metodologia e didática consagradas no segmento. Sempre com base nos manuais de instrução e indicação dos fabricantes, a ideia é abordar todo o funcionamento das bikes elétricas, assim como seus componentes e a montagem e desmontagem corretas.

O curso foca principalmente nas tecnologias Bafang, Bosch e Shimano – o aluno poderá se aprofundar na parte eletroeletrônica da bicicleta e seus componentes. São 7 horas de aula, com o aluno tendo a oportunidade de aprender todo o processo de manutenção preventiva e corretiva, regulagem, limpeza, ajuste e instalação dos sistemas abordados. Esse conjunto de informações pode gerar um grande diferencial lojas e oficinas de bicicleta.

Além disso, quem concluir o Curso de Montagem e Manutenção de Bikes Elétricas e possuir CNPJ válido no ramo de bikes, sairá como técnico autorizado da Move Your Life.

“Não é qualquer pessoa que pode realizar ajustes em bikes elétricas. Elas têm seus detalhes próprios, por isso temos a preocupação sempre de colocar os manuais e especificações dos fabricantes, seguindo tudo isso à risca para não oferecer riscos à bike e ao consumidor”, explica Ricardo Nagatomo, responsável por ministrar o novo curso na Escola.

Para mais detalhes sobre o curso, acesse http://escolaparktool.com.br/produto/e-bike

 

 

Reparos no cicloturismo: quebrou o raio da roda, e agora?

Chegou a hora da sua tão esperada viagem de bicicleta: roteiro de cicloturismo feito, você já tem o mapa das cidades por quais vai pedalar e o que quer visitar em cada ponto. Você está lá, vento na cara, aquela sensação de liberdade e, de repente, ouve um estalo. É, foi isso mesmo, o raio da roda quebrou, e agora?

Bom, antes de tudo isso é necessário voltar algumas casas nesse tabuleiro. A roda é um componente crucial para a segurança do ciclista, já que, com seus aros, oferece a sustentação necessária para mantê-lo pedalando, suportando o peso e promovendo o equilíbrio.

E, para que o ciclista consiga pedalar tranquilamente em sua viagem – e também em trilhas e na cidade -, é fundamental que a roda esteja alinhada e bem balanceada, de acordo com o perfil do ciclista e quanto peso ele vai carregar ao todo.

Para isso, portanto, realizar um projeto de roda vai colaborar e muito para a segurança e conforto do ciclista durante sua cicloviagem.

Qual a importância do projeto de roda para o cicloturismo?

Antes de realizar qualquer tipo de viagem, o ciclista deve fazer um amplo planejamento:

  • montar e personalizar a bicicleta de acordo com o seu uso, incluindo a roda;
  • traçar um roteiro completo das cidades que vai pedalar;
  • investir nas ferramentas e itens extras no caso de uma necessidade;
  • e, principalmente, fazer um cronograma para realizar ajustes e manutenções na sua bike.

No cicloturismo, lembre-se, a bicicleta terá um uso contínuo e extremo, então ela deve estar montada para que responda bem a esse tipo de uso, para oferecer conforto e ao mesmo tempo performance.

Falando especificamente do projeto de roda, o ciclista deve procurar um mecânico capacitado e especialista no assunto, já que este poderá oferecer uma boa variedade de opções de acordo com o perfil e tipo de uso. Como um engenheiro que te mostra um projeto de casa e ambientação para atender à sua necessidade, o mecânico profissional deverá apresentar o melhor custo X benefício ao ciclista.

Peso do atleta, roteiro, peso da bike, altimetria, tipo de percurso, disponibilidade de material, ferramentas e custo. Tudo isso será calculado pelo mecânico de bicicletas na hora de personalizar a sua roda e a sua bicicleta.

E é essencial fazer isso: vai permitir ao ciclista ter uma experiência positiva e segura durante a cicloviagem, desde que ele também siga à risca as recomendações e não negligencie o uso da bike nem ultrapasse os limites do projeto.

Mas e se quebrar a o raio da roda durante a viagem?

Primeiramente, uma ressalva: considerando que você tenha feito o projeto de roda adequado e está pedalando com componentes novos, dificilmente vai acontecer uma quebra “do nada” durante a sua viagem.

Agora, se você ultrapassar o limite saudável de peso da sua bike exercendo uma sobrecarga e pedala por locais não aconselháveis, a roda e outros componentes da bicicleta podem sofrer desgaste e até se romperem.

Por motivos de segurança, portanto, é que no cicloturismo se costuma indicar o uso de produtos com grande popularidade, além da qualidade, para que possam ser facilmente encontrados em diversos lugares.

Agora, falando de forma prática, é recomendado sempre levar itens extras, como por exemplo, neste caso, os raios. Quando acontece a quebra de um raio é possível fazer, com um canivete multifunções, como o Park Tool MTB-3.2, diversos reparos, inclusive alinhar as rodas após a troca do raio que se partiu.

Veja como fazer o reparo no vídeo abaixo:

Em seguida, o ideal e mais recomendado é realizar este alinhamento emergencial para continuar pedalando e, quando encontrar uma oficina de bicicletas, pedir ao mecânico fazer a troca dos raios sobressalentes, além do realinhamento e balanceamento completos das rodas. Importante, também, é encontrar um mecânico que seja especialista nos mais diversos tipos de roda, para que possa solucionar o seu problema de forma profissional e sem que isso seja uma dor de cabeça ainda maior na sua viagem.

Feito isso, é continuar a sua viagem de forma responsável e aproveitar o que a estrada pode te oferecer.

Você viu só como tudo está ligado ao conhecimento, preparação e planejamento prévios? Seja um ciclista de final de semana ou mecânico profissional, a capacitação pode, literalmente, salvar a sua cicloviagem.

Crédito da imagem de exibição: Israel Coifman – https://www.lifelapse.com.br/author/israel-coifman/

 

Manutenção de bicicleta de performance X bike urbana: existe diferença na hora da escolha do mecânico?

 

 

Que a manutenção de bicicleta é importante para que ela continue rodando por mais tempo sem interferir no seu lazer ou desempenho, isso não é novidade. Ela é essencial para prevenir problemas durante as pedaladas e também para corrigi-los. Mas, existe diferença no cuidado entre uma bike urbana e uma de performance? Definitivamente, não!

Não importa qual seja o modelo da sua bike, se você pedala por lazer, mobilidade ou é um atleta que pedala em busca de resultados. A preocupação e cuidado com a sua bicicleta devem ser os mesmos, independentemente do valor que investiu nela e o tipo de uso que faz.

Ou seja, você precisa é procurar um mecânico profissional capacitado, atualizado, que entenda realmente do assunto e das particularidades do seu modelo, para realizar os ajustes e a manutenção necessários, sem te enganar.

Manutenção de bicicleta: o que procurar num mecânico?

Formação técnica, habilidade, bom entendimento dos manuais, bom atendimento e dedicação: estes requisitos são fundamentais em um mecânico profissional, para que ele seja capaz de realizar os ajustes necessários em sua bicicleta. O conjunto de todos esses fatores formam um profissional apto para te atender da melhor forma, seja qual for a sua bicicleta e sua pretensão de uso.

Hoje, vale lembrar, não existe mais espaço para a famosa “gambiarra”. Nem ela nem apenas a experiência profissional. A capacitação profissional se faz necessária e é através dela que um mecânico irá prestar um serviço de qualidade, já que terá acesso a conteúdos teóricos, práticos e exclusivos das principais marcas e modelos de bikes, assim como componentes. E isso faz toda a diferença!

Cada marca e modelo tem sua particularidade, necessitando uma mão de obra especializada e qualificada para não causar danos neste que é o maior bem do ciclista. Mas, na prática, que diferença faz alguém que tenha qualificação e que conheça todos os detalhes e segredos da mecânica de bicicletas?

PROCURE UM MECÂNICO CAPACITADO E ESPECIALIZADO NAS PRINCIPAIS MARCAS

A atleta olímpica Raiza Goulão, um dos principais nomes do mountain bike brasileiro, diz que já passou por algumas dificuldades com isso – como qualquer ciclista, né?! Hoje, entende perfeitamente o que um especialista em mecânica de bicicletas pode fazer por ela.

“Quem pedala precisa ter o equipamento impecável, em ótimas condições. Quando você tem um mecânico de confiança, que está sempre atualizado e investindo em cursos, facilita demais. Entro nas provas só pensando em pedalar e nada mais”, diz a atleta.

Mas isso, como comentado antes, independe se você é atleta profissional, amador ou um ciclista que pedala por lazer ou por locomoção.

Depois de passar por maus mecânicos, que segundo ele “forçavam a situação e inventavam problemas para o cliente gastar mais”, Willian Cruz, editor do site Vá de Bike – que usa a bicicleta como principal meio de transporte na cidade de São Paulo – tem clara a importância de deixar a bike em um profissional de confiança.

“O bom mecânico é aquele que tem um conhecimento técnico profundo, mas que também se esforça em conhecer a realidade de uso do cliente para sugerir mudanças de configuração da bicicleta. Às vezes, um pneu diferente, um câmbio de outro tipo ou até uma mesa mais alta fazem bastante diferença”, diz Willian.

Para você que já se conscientizou dessa necessidade e da importância de ter um profissional capacitado para realizar a manutenção de bicicleta, a Escola Park Tool possui parceria com as principais marcas de componentes, oferecendo ao ciclista a segurança do melhor atendimento e manutenção, com mecânicos especializados em: Fox, Magura, Manitou, Rock Shox, Suntour e X-Fusion.

Não deixe que a falta de conhecimento prejudique a sua bike e o seu pedal, busque sempre alguém de confiança e qualificado para realizar a sua manutenção.